Archive for outubro, 2009

C4A513388D924DF98F12FE4E4009A261-500

Já tratamos bastante do violino irlandês, mas até agora nada dos outros instrumentos. Aí vai então um post sobre Máirtín O’Connor, o guitar hero, ou melhor, o accordion hero da Irlanda. O cara já tocou em grandes bandas de música tradicional, como o De Dannan (que não é o nosso Thuatha rs.) e os escoceses do Boys Of The Lough e ainda com uma boa porção de artistas conhecidos do rock, como Mark Knopfler, Elvis Costello e Rod Stewart.

Pela foto postada fica evidente que o acordeão utilizado na música irlandesa não é  como o acordeão mais comum por aqui, o acordeão piano (cujas teclas da mão direita se assemelham as do piano) utilizado por Dominguinhos, Sivucas e muitos outros, mas é um acordeão de botões, como a ‘gaita-ponto’ do Renato Borghetti – e salvo engano se trata na grande maioria das vezes de acordeões diatônicos e não cromáticos (aqueles que tem as ‘notas pretas’ do piano). Acordeonistas que quiserem dizer algo mais útil a respeito sejam bem-vindos! rs.

Seja como for, se trata de excelente música. Confiram o primeiro play de Máirtín O’Connor (aqui).

E uma genial interpretação ao vivo, e irlandesa, de uma peça de Haendel:

Share/Save/Bookmark

Related posts

Tags: ,

Mapa, bastante útil, retirado deste site

ireland_map22

Share/Save/Bookmark

Related posts

Tags: ,

ia19

Quando pesquisamos a respeito das diferenças regionais da música tradicional irlandesa, na maioria das vezes, é necessário uma audição bem atenta para notarmos as distinções. Afinal o que ouvimos são reels e mais reels entre algumas jigs, slip jigs e raramente algumas hornpipes (alias, para lembrarmos do que é uma hornpipe basta lembrarmos do cachimbo do Popye. A ‘sailor’s hornpipe’ que é tema do desenho é um exemplo da dança).

Se assim é na maioria das regiões este não é, no entanto, o caso da região do Sliabh Luachra (‘ixliav luachra’, segundo minhas recentes, frustrantes, tentativas de aprender a pronunciar gaélico), região que se localiza na região ao redor do rio blackwater na divisa entre os condados de Cork e Kerry, ao sul da Irlanda. Ao que parece esta divisão regional que não representa, até onde sei, nenhuma divisão política é lembrada constantemente devido justamente à música. Ocorre que a música da região ao invés de apresentar reels e mais reels (e algumas jigs), nos apresenta muitas polcas, marchas, valsas. É certamente uma face distinta da música irlandesa. A música do Sliabh Luachra, podemos considerar, dialoga mais de perto com a música da Europa continental, assim com a música inglesa (sim, existe música tradicional inglesa e ela é excelente).

Curiosidades musicológicas à parte a música do Sliabh Lauchra é excelente para os ouvidos – e para os pés daqueles que se dispõem (certamente não é o meu caso rs.)! Confiram uma compilação da música tradicional da  região (aqui).

Share/Save/Bookmark

Related posts

Tags: ,

28
out

Passeio pela Irlanda: Paddy Reilly

   Posted by: tiago    in I- Passeio pela Irlanda

502410

Do canto antigo para o “novo canto”!

Paddy Reilly, que excursionou e gravou com os Dubliners nesta década e na década passada, é um dos grandes interpretes das baladas irlandesas contemporâneas. Sua música e sua voz carrega evidentemente uma adequação maior à música das rádios (sean-nós certamente não renderia um hit single! rs), mas nem por isto Reilly deixa de cantar sobre os temas tradicionais – sobre a grande fome e o exílio (como em seu maior hit Field Of Athenry), sobre a independência da república do Eire (nas clássicas Come Out Ye Black and Tans e A Nation Once Again) – e nem por isto Rilley deixa de ser um grande cantor, representante da música irlandesa tradicional nas décadas de 60 e 70.

O ( play aqui ) consiste de uma coletânea de suas baladas.

P.S: A canção Fields Of Athenry, gravada em sua versão mais famosa por Reilly, é hoje para os irlandeses (e também para os torcedores do Celtic, clube do futebol escocês)  um “hino” cantado nos estádios de futebol. Vejam os torcedores irlandeses cantando, a plenos pulmões, Field Of Athenry num jogo das eliminatórias para a Copa do próximo ano:

Cantem junto hehehe:

“Low lie the fields of Athenry
Where once we watched the small free birds fly (..we watched small free birds fly!)
Our love was on the wing,we had dreams and songs to sing (..songs to sing!!)
It’s so lonely ’round the fields of Athenry.”

Share/Save/Bookmark

Related posts

Tags: ,

doolin15

Dando seqüência ao nosso percurso em meios às origens da música irlandesa (a música da Irlanda antes das grandes bandas e do grande revival nos anos sessenta),  vai aí um post sobre o canto ‘Sean Nós’. Canto ‘sean-nós’ nada mais é que o canto antigo (sean-nós significa em gaélico irlandês, justamente, estilo antigo) o estilo bastante ornamentado de cantar, sempre em língua gaélica, que precedeu a maneira de cantar que é utilizado nos grupos hoje (ainda que é certo que exista muito do estilo ‘sean-nós’ também no canto atual).

A respeito do ‘sean-nós’ lembro de ter ouvido o Paddy Maloney dos Chieftains no DVD ‘Down The Old Plank Road’ comentar que o canto do country americano de raiz o lembrava’. Ouçam e vejam (digam) o que acham a este respeito.

Este play disponível aqui é de gravações da década de 40 no condado de Cork, no sul da Irlanda. Trata-se de um CD vendido somente localmente, bastante raro, mas algum maluco postou no p2p , então nada melhor do que compartilhá-lo.

Sean Nós CD

Mais informações sobre o Sean-Nós vejam o texto que acompanha o CD e o excelente artigo deste jornal online

P.S.: Havia, por engano, publicado o link de um CD errado, agora se trata do CD correto (Sean-Nós do condado de Cork)

Share/Save/Bookmark

Related posts

Tags: , ,

Packie

Tomando por objeto nosso caro Packie Dolan (1904-1932) tomamos um rumo distinto dos demais violinistas tratados aqui. Packie é de uma leva anterior de violinistas, ainda do tempo em que os irlandeses eram levados, devido à pobreza, a migrar  aos Estados Unidos. E foi, de fato, nos EUA no início do século XX que Packie (ou Patrick James) Dolan se tornou um dos violinistas a acompanhar a grande estrela do violino irlandês da segunda década do século passado, o grande Michael Coleman.

Packie lançou, nos anos vinte, algumas gravações em duetos com Coleman – de quem compartilhava o estilo de tocar mais ‘swingado’. No final da mesma década, no entanto, Packie montou, algo inédito na época, um grupo de música tradicional – uma banda como seria mais tarde a magnífica Ceoltoiri Chualann  de Sean Ó Riada e seu famoso filhote: os Chieftains!

Neste play (fora de catálogo) disponível aí embaixo é notável o estilo do violino de Sligo (o estilo atribuído ao violino de Coleman), o “swing” se comparado aos demais estilos pode ser notado, mas é ainda mais notável para nós (ouvintes dos Chieftains, Bothy Band etc.) a influência estadunidense das gravações de Dolan. Uma característica sempre presente nestas clássicas gravações do violino nos EUA é a presença do piano – o que confere por vezes certo ar de ragtime às melodias. É notável também a influência do teatro de comédia (vaudevilles), bastante apreciado nos EUA no início do século passado.

Confiram, então, o espetáculo deste talentoso parceiro do grande Michael Coleman e precursor de bandas como as de Sean Ó Riada e dos Chiefftains. Sweeeeet record! c[:0)

Packie Dolan – The Forgotten Fiddle Player Of The 20’s

Share/Save/Bookmark

Related posts

Tags: ,

fahey.gif

Descemos geograficamente agora, ainda no Oeste da Irlanda,  para o condado de Galway, terra que hoje é também a de uma porção de brasileiros (na cidade de Gort no condado de Galway, dizem que há placas escritas em português em alguns mercados!).

Se nos referimos ao violino, a música do condado Galway possui como um grande, embora misterioso, nome o do violinista Paddy Fahey. Misterioso porque embora as composições de Fahey sejam gravados por grandes nomes do violino irlandês, como Kevin Burke (ex Bothy Band) e Martin Hayes, e embora ele seja reconhecidamente um excelente violinista, Fahey jamais lançou comercialmente um álbum ou um livro com suas melodias. Misterioso, ou incomum, ele é, ainda, pois suas melodias não são nomeadas,mas, como os opus na música erudita, são apenas numeradas.

O estilo do violino de Fahey (que  Caoimhín Mac Aoidh enquadra num estilo particular do leste do condado de Galway) é um estilo mais aberto à atmosfera da melodia. Ao contrário do que encontramos em John Doherty ouvimos mais ornamentos com a mão esquerda aqui, assim como ouvimos um andamento mais cadenciado a até mesmo um ar mais ‘pensativo’ se o compararmos à música de Donegal.

Se compararmos ao estilo de John Doherty vamos ouvir aqui então menos stacattos (menos ta ta ta tas rs.), menos algo que nos lembrar riffs de violino (oh, well rs.) e no lugar algo um pouco mais pensativo, um pouco mais aberto à atmosfera da melodia que está sendo executada

Bom Paddy Fahey nunca lançou um CD comercialmente…nada que a net não resolva c[:0): CD Paddy Fahey & Sean Ryan  (bootleg!)

P.S: Esta foto bastante rara (procurem no google!!!) de Paddy Fahey econtrada graças a este site .

Share/Save/Bookmark

Related posts

Tags: ,