Skip to content →

Música, poesia e viagens de ácido

38127

Podemos dizer, de certa forma, que os aforismos são uma forma menos constrangedora de se escrever poesia; uma forma de arrancar a verdade de nossas entranhas (ou das entranhas do mundo) sem precisar parecer, digamos, patéticos (patético no sentido grego, é claro) como, para nosso bem, os poetas, de fato, parecem.

As letras de canções possuem isto em comum com os aforismos, elas são expressões bastante constrangedoras, embaladas em pacotes fantásticos, ou, no mínimo, engraçados, que nos encantam a ponto de cantarmos e nos envolvermos alegremente com algo como (esta, em homenagem ao MGA), “Jacarezinho, avião, Jacarezinho, avião, Cuidado com o disco voador Tira essa escada daí, Essa escada é pra ficar aqui fora”, sem nos questionar se , de fato, isto foi retirado de um limerick de Edward Lear, de um conto de Carrol, ou se foi mesmo de uma viagem de ácido

Mas como é sempre algo poeticamente alegre, rasgar os embrulhos e nos decepcionar com aquilo que tem dentro, o trabalho deste ‘tratado’ será, justamente, olhar as letras de canções nuas, ausentes de seu potencial encantador. Transformemos, pois, as canções em aforismos e observemos a sabedoria de nossos heróis:

I knew the moment had arrived
For killing the past and coming back to life”

(“Eu sabia que o momento havia chegado, de matar o passado e voltar à vida”. Coming Back To Life, Pink Floyd).

***

This train is my life, speeding through the night.”

(“Este trem é minha vida, acelerando através da noite”. This Train Is My Life, Marillion).

***

Van Morrison discípulo de Oswaldo Porchat:

Ordinary life, be my rock in times of trouble
Get me back on the earth
Put my feet on the ground”

(“Vida comum, seja a rocha para meus problemas, me envie de volta à terra, ponha meus pés no chão”. Ordinary Life, Van Morrison)

***

That’s life

That’s life
I can’t deny it
I thought of quitting but my heart wouldn’t buy it”

(“É a vida, é a vida, não posso negá-la, pensei em largá-la, mas meu coração não o faria.” That’s Life, Dean Kay).

***

Life’s a long song.

But the tune ends too soon for us all.”

(“A vida é uma longa canção, mas a melodia termina muito breve para todos nós”. Life’s Long Song. Jehtro Tull).

***

Neil Young fazendo a barba:

Old man look at my life
I’m a lot like you”

(“Velho dê uma olhada em minha vida, sou muito como você”. Old Man, Neil Young)

***

Lobão, “o filósofo”:

Vida louca vida

Vida breve”

(Vida Louca Vida, Lobão)

***

Tom ‘Brás Cubas’ Espera:

Life is whittled
Life’s a riddle
Man’s a fiddle that life plays on”

(“A vida é esperta, a vida é uma charada, o homem é a rabeca em que toca a vida”. Starving in the Belly Of A Whale, Tom Waits).

***

Wainwright editor-chefe:

Wouldn’t it be a lovely headline
Life is Beautiful on a New York Times”

(“Não seria uma adorável manchete A vida é bela numa Folha de S. Paulo?”. Oh, What A World, Rufus Wainwright).

***

Life’s a Pigsty.”

(“A vida é um chiqueiro”. Life’s a Pigsty, Morrissey)

***

Mose responde a Moz:

Don’t talk to me ‘bout life problems or
How you wish that things could be
‘Cause I don’t have no trouble livin’
It’s jus’ dyin that bothers me”

(“Não me fale dos problemas de sua vida, como você desejaria que as coisas fossem, pois eu não tenho problemas vivendo, é só a morte que me incomoda”. No Trouble Livin’, Mose Allisson)

***

Walkyier filosofa com Forrest:

Life’s really a chocolate box-
some do without – others have plenty.
(…)
while your box is so full – mine’s perpetually empty.”

(“A vida é uma caixa de chocolates, algumas não tem nada – outras têm muito (…) enquanto a sua está sempre cheia – a minha está perpetuamente vazia”. Iniquality Street, Skyclad)

***

Newman lamenta por Karl:

If Marx were living today

he’d be rolling around in his grave”

(“Se Marx estivesse vivo hoje, ele estaria rolando em sua cova”. The World Isn’t Fair, Randy Newman).
***

Andy Partridge saúda a recém-chegada vida de seu filho Harry:

Kid,
Stay and snip your cord off,
Talk and let your mind loose,
Can’t all think like Chekov,
But you’ll be O.K.

(…)

This is your life and you do what you want to do,
This is your life and you spend it all.
This is your life and you do what you want to do,
Just don’t hurt nobody,
‘Less of course they ask you,
In the Garden of Earthly Delights.

(“Garoto, permaneça e arranque seu cordão, fale e solte sua mente, não podemos todos pensar como um Tchekóv, mas você será O.K.(…) esta é sua vida e você faz o que quiser, esta é sua vida é você a gasta, esta é sua vida e você faz o que quiser, apenas não machuque ninguém, a não ser é claro que eles peçam, no Jardim dos Deleites Terrenos”. Garden Of Earthly Delights, XTC)

***

Por fim:

Sua vida é vagabunda, fiá da puta.”
(“Your life is vagabond, so’ of a bitch”. Hino Nacional do Skylab, Rogério Skylab)

P.S: Contribuam, por favor, qualquer esmola, ou ‘limosna’ (sim, em espanhol, esmola possui um nome ainda mais poético, ou alegremente constrangedor, do que é esmola) será aceita…então, por favor, mais aforismos retirados de canções, se não se importam.

Cultura além do óbvio. Desde 2008.

Published in Aforismos