Skip to content →

Nick Cave: a vida é um espinho na garganta

You fell from the sky

Crash landed in a field

Near the river Adur

Flowers spring from the ground

Lambs burst from the wombs of their mothers

In a hole beneath the bridge

You convalesced, you fashioned masks of clay and twigs

You cried beneath the dripping trees

Ghost song lodged in the throat of a mermaid

 With my voice

I am calling you

 

O que esperar do novo álbum do Nick Cave após perder o filho adolescente de 15 anos que morreu caindo de um penhasco chapado de LSD? De um cara sempre obcecado com temas como redenção, existencialismo, anjos & demônios, paixão & desgraçamentos, coisa e tal?

“Skeleton Tree” é aquela epifania costumeira com verniz apocalíptico romântico psicológico desesperançoso. Fluxos de consciência flertando com duas rodas na beira do abismo. Um lapso bem calculado que acaba fugindo do controle. O trabalho angustia o homem. A vida é um espinho na garganta. Cave sabe disso como poucos.

“Jesus Alone” não poderia ser mais simbólica: Cave inicia remoendo a experiência de encontrar o filho Arthur morto em meio a dezenas de referências bíblicas, tão presentes na sua obra.

Para se recuperar de um trauma dessa magnitude, Cave escolheu afundar-se na criação. Brilhantemente, diga-se. O documentário “One More Time With Feeling” é o seu testamento e o seu press release. Nada melhor que evitar discutir milhares de vezes os mesmos pontos com uma imprensa muita vez inconveniente, amadora e sem imaginação.

Talvez a faixa que melhor dialoga com “Jesus Alone” é “Distant Sky”, que tem a participação essencial da soprano Else Torp. Penúltima, prepara o terreno para a conclusão da faixa título e delibera essencialmente sobre a dor, o amor e o arrebatamento.

Let us go now, my one true love

Call the gasman, cut the power out

We can set out, we can set out for the distant skies

Watch the sun, watch it rising in your eyes

 

They told us our dreams would outlive us

They told us our gods would outlive us

But they lied

 Soon the children will be rising, will be rising

This is not for our eyes

 

Com exceção da dispensável “Rings of Saturn”, que não está no mesmo nível, todas as outras faixas levam ao limite a exploração de texturas, de climas e ambiências, de linhas vocais que flertam continuamente com o sacro, em ritmo do soturno contador de histórias que Cave construiu ao longo do tempo: “Girl In Amber”, “Magneto” (espetacular), “Anthrocene” e a ótima “I Need You”, uma espécie de balada-niilista (“porque nada realmente importa”) formam a essência do disco, embebido da experiência inominável que Cave teve que passar, porém não apenas. Metade do disco já estava pronto quando seu filho morreu e as letras evocam sempre situações, figuras e referências diversas, saturadas de uma melancolia ora estoica ora cínica ora violenta.

“Skeleton Tree” usa com mais ênfase ainda recursos eletrônicos e canções direcionadas pelo piano, sendo primo direto do anterior “Push The Sky Away”, compartilhando da mesma fonte e mundo estético, porém aqui retorcido e levado ao extremo do modo Cave de fazer as coisas e do som característico do Bad Seeds, afundado em uma ambiência quase “drone” às vezes, marcas de uma discografia impressionante de um dos maiores gênios do nosso tempo.

Sua voz é próxima, sussurrada, íntima. Mais que qualquer tipo de testamento, Cave parece querer nos lembrar que não existem respostas prontas, não existem prateleiras às quais você possa facilmente recorrer, não há bula de um medicamento conhecido e não existe uma maneira tranquila de ouvir “Skeleton Tree”. É impossível passar incólume pelo convite de Cave, que repete com a convicção cambaleante de quem não tem outra alternativa no fim: “está tudo bem agora, está tudo bem agora, está tudo bem”.

 

Glowing white like fire

Nothing is for free

I called out, I called out

Right across the sea

But the echo comes back in, dear

And nothing is for free

And it’s alright now

Sou jornalista e desde 2003 escrevo sobre música, cinema, literatura e outros assuntos em diversos veículos digitais e impressos. Fundei a Movin' Up em 2008. Publiquei os livros "11 Rounds" (contos) e "Latitude 19 & Outros Hematomas" (crônicas e poemas).

Published in Reviews de Cds